A história de Jaycee Lee Dugard

Jaycee Lee Dugard

jaycee

A garota que foi sequestrada aos 11 anos e que viveu 18 anos em cativeiro. Jaycee Lee Dugard foi sequestrada por Phillip Garrido, de 58 anos, e a esposa Nancy, de 54 anos. Enquanto esperava o ônibus que a levaria para a escola, foi arrastada para dentro de um carro pelo casal, que responde por 29 acusações, dentre elas sequestro, estupro e aprisionamento. As duas filhas de Jaycee seriam fruto da relação que era obrigada a manter com Garrido.

Histórico dos Sequestradores

Phillip-Garrido-Nancy-1988- Zuma-9-11-09

Phillip Craig Garrido nasceu no Condado de Contra Costa na Califórnia, em 5 de abril de 1951. Ele cresceu em Brentwood, onde se graduou na na Escola Liberdade em 1969. Seu pai, Manuel Garrido, que continua a residir em Brentwood, disse que seu filho era um “bom menino” quando criança, mas mudou radicalmente após um grave acidente de moto quando era adolescente, e mais tarde se tornou usuário de drogas.

Em 1972, Garrido foi preso e acusado de ter abusado sexualmente de uma menina de 14 anos de idade, mas o caso não foi a julgamento depois que a menina se recusou a depor. Em 1973, Garrido se casou com Christine Murphy, sua colega de ensino médio que alegou que Garrido era abusivo. Murphy alega que Garrido a sequestrou quando ela tentou deixá-lo.

Em 1976, Garrido sequestrou Katherine Callaway em South Lake Tahoe, Califórnia. Ele a levou para um armazém em Reno, Nevada, onde a abusou sexualmente. Quando um policial percebeu um carro suspeito estacionado no local até tarde da noite, ele resolveu investigar. Callaway então saiu correndo e pediu ajuda. Garrido foi preso imediatamente. Ele foi acusado e condenado por crimes em ambos os tribunais federais e estaduais. Em 1976 depois avaliação judicial psiquiátrica, Garrido foi diagnosticado com portador de um desvio sexual crônico e usuário de drogas. O psiquiatra recomendou que um exame neurológico fosse realizada porque o uso de drogas de Garrido poderia ser “responsável em parte” por seu desvio sexual. Garrido foi então avaliado por um neurologista. A impressão diagnóstica foi: “Exame neurológico normal”. No tribunal, Garrido testemunhou que ele se masturbou em seu carro ao lado de escolas, enquanto observava as meninas. Garrido foi condenado em 09 de março de 1977 e começou a cumprir uma pena de 50 anos em 30 de junho de 1977, na Penitenciária Leavenworth no Kansas.

Em Leavenworth, Garrido conheceu Nancy Bocanegra (Esse é realmente o sobrenome dela, não é um erro de tradução!!), que estava visitando um outro prisioneiro, seu tio. Em 05 de outubro de 1981, Garrido e Bocanegra se casaram em Leavenworth. Em 26 de agosto de 1988 ele recebeu liberdade condicional sob supervisão das autoridades federais. Os Garridos se mudaram para Antioquia, onde viveram na casa de sua mãe idosa, que sofria de demência. Como estava em liberdade condicional, Garrido foi monitorado, e usava uma tornozeleira com GPS, e foi visitado regularmente pela polícia.

Sequestro e Esforços de Busca

jayceelee

Em Setembro de 1990, Jaycee Dugard e sua família se mudaram para South Lake Tahoe. Na época do rapto, Jaycee estava na quinta série frequentando a Escola Primária Meyers. Ela tinha 11 anos de idade.

Em 10 de junho de 1991 o padrasto de Jaycee, Carl Probyn, testemunhou o sequestro da esquina de sua casa. Ele viu duas pessoas em um carro cinza fazerem uma curva brusca na parada do ônibus escolar onde Jaycee estava esperando, e uma mulher descer e forçar a garota a entrar no carro. Probyn, em seguida, tentou perseguir o carro em uma bicicleta, mas ele foi incapaz de alcançar o veículo. Alguns dos colegas de Jaycee também foram testemunhas do sequestro. Suspeitas iniciais incluiram Probyn e Ken Slayton, pai biológico de Jaycee. Probyn passou por vários testes de polígrafo, e Slayton também foi rapidamente tirado da lista de suspeitos.

Poucas horas depois do desaparecimento de Jaycee, a mídia local e nacional convergia sobre South Lake Tahoe para cobrir a história. Em poucos dias, dezenas de voluntários locais ajudaram no esforço de busca, que envolveu quase todos os recursos da comunidade. Dentro de semanas, dezenas de milhares de folhetos e cartazes foram enviados a empresas em todo os Estados Unidos. Como a cor favorita Dugard foi rosa, a cidade inteira foi coberta com fitas cor de rosa como um lembrete constante de seu desaparecimento e um apoio demonstrado para a família por parte da comunidade.

A mãe de Jaycee, Terry Probyn, fundou um grupo chamado Esperança Jaycee, que dirigiu os voluntários e angariação de fundos. Fitas cassete da canção Jaycee Lee (uma canção composta especialmente para ajudar nas buscas) junto com camisetas, moletons e botoms eram vendidos para arrecadar dinheiro para materiais de posters, despesas de postagem, impressão e afins. As fundações Chil Quest International e o Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas também foram envolvidos no esforço. Uma recompensa foi oferecida e exibida nos cartazes e folhetos. O caso do sequestro também atraiu a atenção nacional e foi apresentado muitas vezes na televisão no programa Os Mais Procurados da América.

Os meses e anos subsequentes, foram um esforço contínuo de conscientização de segurança para crianças, eventos de captação de recursos e vigílias à luz de velas sempre visando manter viva a história e as esperanças de encontrar Jaycee.

Cativeiro

cativeirojayceelee
Os Garridos moravam em uma casa na Avenida Walnut no nordeste de Antioquia. Um vizinho dos Garridos disse que ele lembra, ainda criança, de ver Jaycee através de uma cerca no quintal dos Garridos logo após o sequestro. Ele disse que ela se identificou pelo nome de “Jaycee” e que quando ele perguntou se ela morava lá ou foi apenas visitar, ela respondeu que ela morava lá. Nesse ponto, Philip Garrido saiu e levou-a para dentro. Os Garridos mais tarde construiram uma cerca maior em torno da propriedade, que já tinha várias árvores de grande porte no quintal.
De abril a agosto de 1993, Phillip Garrido foi levado de volta à prisão federal por violação da condicional.

Jaycee Lee Dugard deu a luz a duas filhas de Phillip Garrido, nascidas em agosto de 1994 e em novembro de 1997. Durante seu tempo juntos como uma família, Jaycee se apresentou a todos como a filha dos Garridos e descreveu as meninas mais jovens como as irmãs menores. Suas duas filhas também diziam que ela era sua irmã mais velha.

Garrido tinha uma gráfica, onde Jaycee atuou como artista gráfica. Ben Daughdrill, um cliente do negócio de impressão de Garrido, afirmou que ele conheceu e conversou por telefone com Jaycee e que ela fez um trabalho excelente. Durante este tempo, Jaycee tinha acesso ao telefone da empresa e uma conta de e-mail. Um dos clientes do negócio de impressão indicou que ela nunca deu a entender sobre o sequestro da infância ou sua verdadeira identidade.

Enquanto estava em Antioquia, Garrido também manteve um blog associado com o que ele chamou de “Igreja Desejo de Deus”. No blog Garrido disse que ele tinha o poder de controlar sons com sua mente. Garrido pediu a várias pessoas, incluindo clientes, para assinar depoimentos confirmando que eles testemunharam sua capacidade de “controle de som com a minha mente” e um dispositivo que ele desenvolveu “para os outros testemunharem esse fenômeno.”

Na época do fim do sequestro em 2009, Jaycee vivia em um alojamento no quintal atrás da casa de Phillip Garrido. O espaço privado do quintal incluídas galpões (um dos quais foi isolado acusticamente e usado como um estúdio de gravação na qual Garrido cantava e gravava temas religiosos e românticos), duas tendas. A área foi cercada por árvores altas e um muro de 1,8 m de altura. Uma entrada para o quintal foi coberto por uma lona. Privacidade no quintal era reforçada por tendas e dependências, bem como um carro velho semelhante ao utilizado no rapto.

Policiais visitaram a residência pelo menos duas vezes nos últimos anos, mas não deram mais do que uma rápida olhada no quintal. Quando a polícia investigou, eles encontraram no diversos objetos típicos de criança, incluindo livros e brinquedos, entre as tendas e abrigos. Energia elétrica era fornecida por cabos de extensão. Jaycee Dugard era vista na casa e, às vezes atendia a porta da frente. Enquanto a família era reservada, as meninas eram eventualmente vistas jogando no quintal ou como passageiras no carro de Garrido. Garrido afirma ter educado em casa as duas meninas.

Uma tia de Jaycce, Tina Dugard, e uma ex-sócio dos Garridos, Cheyvonne Molino, têm comentado que as filhas de Jaycee pareciam saudáveis. Tina Dugard disse que após conhecê-las após a sua reaparição, elas “sempre pareciam e se comportavam como crianças normais”. Molino falou sobre as vezes que ela se encontrou com elas enquanto eles estavam em cativeiro “, que em sua presença as garotas nunca agiram roboticamente” e não usavam roupas fora do comum.

Oportunidades Perdidas de Resgatar Jaycee

A Polícia não conseguiu fazer a conexão que Jaycee Lee Dugard foi sequestrada em South Lake Tahoe, no mesmo local que Garrido sequestrou, em 1976, Katherine Callaway Hall.

Em 22 de abril de 1992, menos de um ano após o sequestro, um homem ligou para o Departamento de Polícia do Condado de Contra Costa de um posto de gasolina em Oakley, Califórnia, menos de dois quilômetros da casa dos Garridos em Antioquia. O homem relatou que viu Jaycee no posto de gasolina olhando fixamente para um cartaz criança desaparecida de si mesma. O autor da chamada, em seguida, relatou ter visto ela entrando em um carro amarelo grande, possivelmente um Dodge. Em 2009, após a liberação de Jaycee, um carro amarelo velho foi recuperada na propriedade de Garrido. A placa não foi relatada na chamada de 1992 e o autor do chamador, a menina, e o carro foram embora no momento em que a polícia chegou. O autor da ligação não se identificou, e a polícia não levou o assunto adiante.

Em junho de 2002, os bombeiros responderam a um chamado de um jovem com uma lesão no ombro que ocorreu em uma piscina na casa dos Garridos. Esta informação não foi transmitida para o escritório de liberdade condicional, que não tinha registro de qualquer jovem ou uma piscina no endereço Garrido.

Em 2006, um dos vizinhos Garrido é chamou de 911 para informá-los que havia tendas no quintal de Garrido e que crianças viviam lá e que Garrido era “psicótico” com vícios sexuais. O vice-xerife falou com Garrido na frente da casa por aproximadamente 30 minutos e saiu depois de dizer-lhe que haveria uma violação do código, se as pessoas estavam vivendo fora da propriedade. Depois que Jaycee foi encontrada em agosto de 2009, a polícia local emitiu um pedido de desculpas.

Em 04 de novembro de 2009, o Escritório da Califórnia do Inspetor Geral emitiu um relatório, que enumerou vários lapsos pelo Departamento Correcional da Califórnia e Reabilitação que contribuíram para o cativeiro continuou de Jaycee. A principal constatação foi a de que Garrido foi incorretamente classificado como necessitando apenas de supervisão de baixo nível e todos os outros lapsos foram derivadas a partir dele. Em seu relatório, o inspetor-geral detalha um caso em que um agente de liberdade condicional encontrou uma menina de 12 anos de idade, na casa de Phillip Garrido, mas aceitou a explicação de Garrido que “ela era filha de seu irmão e [o agente] não fez nada para verificar isso”.

Reaparecimento

Em 24 de agosto de 2009, Garrido visitou o escritório de San Francisco do FBI e deixou um ensaio de quatro páginas contendo suas idéias sobre religião e sexualidade, sugerindo que ele tinha descoberto uma solução para problemas de comportamento como o seu passado de crimes. O ensaio descreveu como ele tinha curado seus próprios comportamentos sexuais criminais e como essa informação poderia ser usada para auxiliar na cura de outros predadores sexuais por “controlar os impulsos que levam os seres humanos a cometer atos disfuncionais”. No mesmo dia, Phillip Garrido foi para a Universidade de Berkeley na Califórnia, no departamento de polícia buscando permissão para realizar um evento especial cristão no campus como parte de seu programa “desejo de Deus”. Ele falou com a gerente de eventos especiais Lisa Campbell. Ela percebeu seu comportamento estranho e pediu que ele marcasse uma visita para o dia seguinte, o que ele fez, deixando seu nome no processo. Na manhã seguinte, 25 de agosto, Campbell notificou a policial do campus Ally Jacobs sobre a reunião mais tarde naquela manhã com Garrido, e suas preocupações. Jacobs fez uma verificação de antecedentes, soube que Garrido estava em liberdade condicional por estupro, e decidiu participar da reunião. Garrido chegou com duas meninas, a quem apresentou como suas filhas. Na reunião, Jacobs sentiu que o comportamento das meninas era incomum, e telefonou para o escritório de liberdade condicional para transmitir suas preocupações. Como ninguém atendeu, ela deixou um relatório da reunião na secretária eletrônica.

Depois de ouvir a mensagem gravada por Jacobs, dois agentes da condicional foram até a casa de Garrido, mais tarde naquele dia. Na chegada, o algemaram e revistaram a casa, porém encontraram apenas sua mulher Nancy e sua mãe idosa em casa. Em seguida, os agentes da condicional levaram Garrido de volta para o escritório de liberdade condicional. No caminho, Garrido disse que as duas meninas que haviam acompanhado a Berkeley “eram filhas de um parente, e ele tinha permissão de seus pais para levá-las para a universidade.” Embora o escritório de liberdade condicional houvesse proibido Garrido de se aproximar de menores apenas um mês antes, os agentes negligenciaram essa violação. Depois de analisar o seu arquivo com um supervisor, eles levaram-no para casa e ordenaram que ele voltasse para o escritório novamente no dia seguinte para discutir a sua visita à Berkeley e esclarecer sobre as duas meninas.

Garrido chegou ao escritório de liberdade condicional em Concord em 26 de agosto com sua esposa, Nancy, as duas meninas e Jaycee Lee Dugard, que foi apresentada como “Allissa”. Quando eles chegaram, seu agente de condicional estava no telefone com Jacobs para obter uma descrição mais detalhada de sua interação com Garrido e as duas meninas. Jacobs informou o oficial de que as meninas estavam chamando Garrido de “papai”, mas o agente da condicional acreditava que Garrido não tinha filhos. O agente da condicional, em seguida, decidiu separar Garrido das mulheres e meninas para obter uma identificação.

Jaycee, mantendo sua identidade falsa como “Allissa”, declarou que ela era a mãe das meninas. Quando o agente da condicional disse que ela parecia muito jovem para ser a mãe e perguntou a idade dela “Alyssa (Jaycee) disse que ela tinha 29 anos, rindo, explicando que muitas vezes ouvia aquele comentário e que as pessoas acreditavam que ela era irmã das meninas”, afirma o relatório. Como o questionamento contínuo, Jaycee e Nancy Garrido ficaram agitadsa e queria saber por que eles estavam sendo interrogados. Quando o agente da condicional explicou que eles estavam investigando a visita de Garrido ao campus da Universidade com as duas meninas, Dugard disse que ela sabia que Garrido tinha levado as meninas para o campus e que ela também sabia que ele era um criminoso sexual em liberdade condicional que havia seqüestrado e estuprado uma mulher. “Ela acrescentou que Garrido era um homem mudado e uma grande pessoa que foi bom para seus filhos. Allissa posteriormente afirmou que ela não queria fornecer qualquer informação adicional e que ela poderia precisar de um advogado.”

Mais tarde, foi sugerido que Jaycee estava começando a mostrar sinais clássicos de síndrome de Estocolmo durante seu interrogatório.

O agente de liberdade condicional, então, pediu a Garrido, em outra sala, para explicar a relação entre ele e “Allissa” e as duas meninas. Garrido disse que todos os três eram suas sobrinhas, filhas de seu irmão em Oakley. “Garrido afirmou que os pais se divorciaram, as meninas estavam morando com eles e outras pessoas, e ele não sabia o endereço do seu irmão ou número de telefone”, afirma o relatório. O agente da condicional voltou para as mulheres e insistiu em ver a identificação de “Allissa”, mas Jaycee respondeu que ela “tinha aprendido há muito tempo a não transportar ou fornecer qualquer informação pessoal a ninguém.” Ela também disse que ela precisava de um advogado. Neste ponto, o agente da condicional chamou a polícia.

O relatório continua: “Enquanto esperavam a policia chegar, Jaycee disse que lamentava que ela havia mentido. Ela explicou que era de Minnesota e tinha se escondido durante cinco anos de um marido abusivo. Ela disse que “tinha pavor de ser encontrada, e essa foi a razão pela qual ela não poderia dar o agente de liberdade condicional qualquer informação”. Dois oficiais de polícia continuaram o questionamento de Jaycee, que manteve sua identidade falsa e a história que ela contou para o agente de liberdade condicional. Na outra sala, um sargento da polícia questionou Garrido, que finalmente admitiu que ele era o pai das duas meninas. Quando o agente de liberdade condicional retomou seu interrogatório de Garrido, ele admitiu o sequestro e estupro de “Allissa”. Sob interrogatório, Jaycee revelou sua verdadeira identidade e confirmou que ela tinha sido seqüestrada e estuprada por Garrido.

Garrido e sua mulher foram então presos. Um agente especial do FBI colocou Jaycee no telefone com sua mãe, Terry Probyn. Jaycee conserva a guarda de seus filhos e logo se reuniu com sua mãe.

Consequências

Nos dias seguintes ao retorno Jaycee, Carl Probyn, padrasto, confirmou que ela e suas filhas estavam saudáveis e inteligentes, e a reunião estava indo bem e seria um processo lento. Ele disse que sua enteada tinha desenvolvido um vínculo emocional significativo com Phillip Garrido, e que as meninas choraram quando souberam da prisão de seu pai. De acordo com a tia de Jaycee Dugard, Tina Dugard, as duas meninas são “inteligentes, articuladas, meninas curiosos que têm um futuro brilhante pela frente.” Ernie Allen, presidente do Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas, disse que o reaparecimento de Jaycee é um evento importante para as famílias de outras crianças desaparecidas por muito tempo, porque mostra que há esperança, mesmo em casos de longo prazo.

revistapeople

Três semanas após sua libertação, Jaycee Dugard fez um pedido para obter o controle dos animais de estimação que foram retirados da casa onde ela foi mantida em cativeiro. Em 14 de outubro de 2009, a revsita People publicou em sua capa a primeira foto de Jaycee Dugard como uma adulta. As memórias de Jaycee “Uma Vida Roubada”, foram publicadas em 12 de julho de 2011.

Como está Jaycee atualmente?

jayceeee

 

O sorriso pouco mudou e transparece verdade na única declaração dela: “Estou muito feliz em estar de volta”. Jaycee não foi entrevistada diretamente pela revista, mas familiares falaram sobre seu retorno para casa e a superação do trauma vivido por ela e as filhas Angel, de 14 anos, e Starli, de 11 anos. As três moram com a mãe da jovem, Terry Probyn, no norte da Califórnia.

 

Procedimentos Legais

Nancy-and-Phillip-Garrido-001

Em 28 de abril de 2011, os Garridos se declararam culpados de sequestro e estupro.
Em 02 de junho de 2011, Philip Garrido foi condenado a 431 anos, sua esposa recebeu 36 anos de prisão.

Jaycee, que não compareceu ao julgamento, enviou uma declaração por escrito que foi lida no tribunal:

“Eu não quis estar aqui hoje, porque eu me recuso a perder mais um segundo da minha vida em sua presença. Eu escolhi que minha mãe lê-se isto para mim. Phillip Garrido, você está errado. Eu nunca poderia dizer isso a você antes , mas eu tenho a liberdade agora e eu estou dizendo que você é um mentiroso e todas as suas chamadas teorias estão erradas. Tudo o que você já fez para mim foi errado e um dia eu espero que você possa ver isso. O que você e Nancy fizeram foi errado. Você sempre justifica tudo para servir a si mesmo, mas a realidade é e sempre foi, que você faz os outros sofrerem por sua incapacidade de controlar a si mesmo. Não há Deus no universo que iria perdoar suas ações. Para você, Phillip, eu digo que sempre fui uma coisa para a sua própria diversão. odiei cada segundo de cada dia, de 18 anos por causa de você e da perversão sexual que você forçou em mim. Para você, Nancy, eu não tenho nada a dizer. Ambos podem economizar suas desculpas e palavras vazias. Para todos os crimes que vocês cometeram espero que você tenha muitas noites sem dormir como eu tive. Sim, quando eu penso em todos aqueles anos, eu fico com raiva porque você roubou minha vida e a vida de minha família. Felizmente eu estou fazendo o certo agora e não vou mais viver em um pesadelo. Tenho amigos maravilhosos e familiares em torno de mim. Algo que você nunca pode tirar de mim novamente. Você não importa mais.”

Acordo com o Estado da California

Em julho de 2010, o Estado da Califórnia aprovou uma resolução de U$ 20 milhões para Jaycee Dugard, para compensá-la por “vários lapsos do Departamento de Correções [o que contribuiu para] o cativeiro continuo, agressão sexual e mental e abuso físico.” O acordo, parte do AB1714, foi aprovado pela Assembléia Estadual da Califórnia por 70 votos contra 2, e pela Senado do Estado da California por 30 contra 1. O Juiz da Suprema Corte de São Francisco Daniel Weinstein, que mediou o acordo, afirmou que a resolução foi tomada para evitar uma ação judicial que seria uma “invasão de privacidade e uma pior publicidade para o estado.”

O projeto de lei foi assinada pelo governador da Califórnia Arnold Schwarzenegger em 9 de julho de 2010.

Livro

vida-roubada-capa

Eu li este livro, é impressionante os detalhes da história, ela transmite uma emoção muito forte e se por alguns momentos você se colocar no lugar dela, bate um certo desespero. Eu recomendo a todos! Onde comprar?

Phillipp Garrido filmava as atrocidades cometidas contra Jaycee, após o desfecho do caso, alguns desses vídeos, de alguma forma, foram parar na Deep Web em sites de estupros e assassinatos. Não sei se realmente existem, mas sei que até hoje é um dos vídeos mais buscados no mundo underground.

E ai, gostaram? Compartilhem!!

Diego Costa

Consultor de Tecnologia & Segurança da Informação. Formado em Tecnologia da Segurança da Informação, entusiasta na área de Forense Computacional e atualmente cursando MBA em Gestão de Tecnologia da Informação. Trabalha há mais de quatro anos na área de Tecnologia da Informação de uma multinacional alemã. Nesta empresa é responsável pela área de TI do Brasil e América Latina. Administra uma das maiores páginas focadas em tecnologia do Brasil, a Deep Web Brasil e a TSI.

4 comentários em “A história de Jaycee Lee Dugard

  • 4 de fevereiro de 2016 em 20:22
    Permalink

    Cara ótimo post! Parabéns.

  • 5 de fevereiro de 2016 em 16:55
    Permalink

    bateu desespero só de imaginar o sofrimento dela

  • 7 de fevereiro de 2016 em 03:44
    Permalink

    Caracas! não sou de ler muito, mas essa historia escabrosa me fez ler tudo e mais um pouco,

    Parabéns pelo post.

  • 18 de fevereiro de 2016 em 00:40
    Permalink

    Imagino oque os negões fizeram com o sujeito…

Os comentários estão desativados.

Ahhhh :(

Nosso site tem anúncios que ajudam a manter o serviço online e a informação disponível para todos.

Por favor, se possível, desative o AdBlock enquanto estiver aqui com a gente, ok? <3

Muito obrigado!

AdBlock detectado!

Ahhhh :(

Nosso site tem anúncios que ajudam a manter o serviço online e a informação disponível para todos.

Por favor, se possível, desative o AdBlock enquanto estiver aqui com a gente, ok? <3

Muito obrigado!